sexta-feira, 21 de abril de 2017

Dia bucólico

Nesses dias em que todo mundo fala que tá feio,
nesse frio com garoa que a gente nem sai de casa
agora eu entendo a aflição.
Foi ler parte de uma musica e veio
me peguei lembrando do nosso tempo em brasa,
doce e triste reflexão .
Mais vulgar do que café com leite,
mais comum do que pente de plástico
eu me enrolo nas antigas mantas cheirosas de amaciante caro que não para de cheirar nem depois de meses de pipoca e amor.
Cai uma lágrima piegas, que ouve uma balada batida, daquelas que nenhum cantor sertanejo se presta a cantar mais.
Fora esse contexto histórico, todo o resto me dá vergonha,
meu suspiro comprido na fronha e essa náusea de abstinência.
Eu olho da janela pra fora e é como se nem pro vento eu fosse real resistência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário