segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Novamente

Novamente.
Outra vez.
Cíclico.
Sempre.
Sorte.
Sina.
Mina.
Nós.


O que ela viu e gostou,
o que você sentiu e desgarrou,
o que estava jorrando e estancou,
agora vejo onde estou.

Tentando dominar os medos e desejos
tentou escrever suas noites tristes num papel de pão,
quis fingir que sofria pra não ter de sofrer
em meio a lampejos de futuros e passados festejos
Não saiu diferente da maldição.

Édipo tentou fugir.
Não rolou.

Em cada passo um pouco de tudo isso.

Novamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário