terça-feira, 1 de março de 2011

Depois que ela se foi

Foi conversado, foi acordado, foi consciente.
Os dois sabiam em que se meteriam daí pra frente.
Ia ter choro, peito apertado e lembrança insistente.
Ia dar medo, ia dar raiva e deixar descontente.

Mas foi assim. Tinha de ser. Ou era isso que eles pensavam.
E o pior é que depois que ela se foi e parou e pensou..Ele sabia que não ia ser mais fácil, nunca é fácil, de jeito nenhum, nem desse nem de outro. Porque é amor.

Ele sabia que ela encantava as pessoas, ele lembrava de quando foi fisgado, ele sabia que o jeito que era dela, só dela e de fato dela ia encantar outros corações... E ele que nunca entendeu direito o porquê de ser seu escolhido, que sempre imaginava qual seria a lógica das escolhas dela, que só agradecia por tê-la por perto não conseguia imaginar se ela se encantaria por outro alguém.
Ele sofria. Na verdade ele sabia. Ela sempre amava tudo. Ela sempre dava uma chance para que se mostrasse o lado bom.
Droga! ela já devia estar pronta para mostrar todo seu mundo para outro coração, assim como tinha feito tantas outras vezes, e como em todas ela se retiraria no melhor do jogo, para mostrar que o que é bom dura pouco. Ai ai..era sempre assim. Era por pouco tempo. Havia muitos apaixonados. Ela nunca se entregava.
É...é melhor partir pra outra. Acabou de um jeito torto mesmo. Ela já nem queria mais. Ela estava tão bem consigo mesma e nem fazia sentido insistir.
E ele pensou assim depois que ela se foi. Depois dela chegar e revirar tudo da noite pro dia. Depois de causar uma chaga num peito que só queria o bem. Ela era uma megéra. Ela nem merecia uma chance. Ela nem devia querer uma chance.

Depois que ela se foi ele pensou que o melhor era deixar o tempo levá-la para longe, ou para um lugar onde ele não a pudesse ver com tanta frequência. E foi assim que ele fez.

Ele só se esqueceu que ela não era ELA, era só ela. Uma menina que também sofreu, que tentou sorrir, que sentiu culpa. Ela estava lá. Também sentia ciúme de toda magia que estava a volta dele e que poderia encantar qualquer coração.
Ela sentiu saudades. Tentou se comunicar. Ela vivia um mundo novo, mas sempre com um pé na lembrança.

No fim, depois que ela se foi ficou CLARA a situação.
Um longe do outro sem muita explicação.



Tive um sonho...pensei nisso. Escrevi.
Espero que gostem.

Paz, Amor e Positividade.♥

5 comentários:

  1. Quanta sensibilidade para fisgar generalidades... estou impressionado!!!!!

    Chego a sentir falta dEla e de sua aura encantadora.

    ResponderExcluir
  2. Isso é muito interessante! Um dilema, na verdade.

    Seus sonhos te assombram sempre? Ou seria esse, na verdade, um pesadelo isolado? Não importa... O que me deixou intrigado foi o "espero que gostem", porque é uma questão muito perturbadora para todo aquele que escreve.

    Como escrever para o outro, se escrever é uma necessidade? Para quem escrevo, se não para mim mesmo? Mas para que escrevo, se não for para comunicar ao outro? Existe uma linha muito tênue entre o eu e o outro na composição e nunca me acostumarei a ela.

    Enfim... Divagações literária à parte, deixo à guisa de reflexão uma dúvida. Será que os fantasmas não existem tão somente porque não respeitamos suas memórias? Como podem ficar em paz, se não enterramos seus corpos?

    ResponderExcluir
  3. Tive um sonho muito parecido com o teu, recentemente. Mas como não escrevi sobre ele, as reflexões se perderam em algum lugar obscuro da memória. Cheguei a esquecê-lo, duvidar que tivesse existido. Depois do teu texto, se sonhei mesmo ou não, já é irrelevante. Meu cérebro se aliou às tuas palavras e recriou um novo para mim.

    ResponderExcluir
  4. Belas palavras para definir um sentimento, ou um amontoado deles!

    Complicado... é... dizíamos muito isso... Saudades!!

    ELE!

    ResponderExcluir