quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Cela

Entrar, sentar e falar.
devia ser só assim.
sem redondilhos maiores
só expor tudo enfim

Fato é que fico assim presa
dentro do bendito padrão
eu nado contra a correnteza
tentando achar a razão

Chega, eu já estou bem cansada da métrica. Já basta todos os moldes. Devo ter direcionado até meus pensamentos para  funcionarem numa escala padrão.
É, meu caro, eu tenho pensado bastante. Mais vale uma mente livre que duas presas num labirinto.
Tenho me surpreendido com as façanhas da cabeça humana, a minha pelo menos, não que ela siga lá muito as médias gerais, mas ultimamente tenho me surpreendido.
Engraçado como em um passe de mágica a gente se encanta por alguém, alguém que faz tudo ficar mais harmónico e colorido(aquelas coisas clichês que mesmo sendo de conhecimento geral sempre nos invadem durante as paixões).
Um sábio me disse uma vez que a "culpa" disso não é do encantados, mas sim dos encantadores, disse que as pessoas são fantásticas e tem uma porção de qualidades, não tem mesmo como não se encantar. Acho que ele estava ouvindo o canto da sereia quando disse isso...haha..Fato que ele devia estar encantado por alguém também, essas são palavras de uma mente que já se encontra enlaçada por algo inexplicável.
Porém no parar pra pensar eu sempre chego a conclusão de que esse é realmente o sentido. No dia em que eu não me encantar por nada as coisas perderão o sentido e deixaram de ser vitais.

Que eu sempre mergulhe nesses encantos
 e me perca em todos os cantos
 cantando que a vida só é vivida se de fato houver calor.

3 comentários:

  1. Um par de olhos fitava a parede. Não, não era a parede. Parecia ser, de qualquer forma, mas para um observador mais atento, parecia transpassar por essa e por tantas outras, até se encontrar no infinito.

    Chamava-se Positividade. Não por batismo, mas porque a maioria considerava uma péssima idéia e por escárnio, assim a apelidou. Como não poderia deixar de ser, a Positividade era um risco geral e numa decisão de consenso, foi presa em uma cela. Qualquer um sabe que a positividade é uma ameaça constante à rabugice que nos dá a segurança de seguir em frente.

    Foi nesta cela que a encontrei. Aqueles olhos brilhavam quase tanto quanto aquele sorriso que me deixava encantado, por mais discrepante que fosse do cenário. Parecia tranquila, como se aquela prisão fosse tão pequena, que não fosse capaz realmente de contê-la. Seus olhos que contemplavam o infinito, mas ao mesmo tempo não estavam distantes. A impressão é que podiam ver através de mim.

    A princípio, supus que estivesse ali porque não achou nada melhor para fazer. Depois, como não encontrei nenhuma evidência que desmentisse esta possibilidade, tomei como verdade e perguntei porque ficava na cela, embora talvez seja um ato de grande inconsequencia. Eu poderia ser o culpado por devolver a Positividade ao mundo. E foi o que de fato ocorreu.

    Ficou presa durante o tempo que não se preocupou em sair da cela. Eu estou desde que meus olhos foram por ela capturados.

    ResponderExcluir
  2. Sabe aquela história de sem palavras?
    acho que entendi. rs.

    ResponderExcluir
  3. Texto fantástico!!!

    Fiquei com muita vontade de que você leia um texto meu que tem um ideia bem parecida com essa. Tá no meu blog. Quando puder, confira, acho que vai gostar mesmo.

    http://coracaooco.blogspot.com/2010/10/poema-composto-inicialmente-redondilhas.html

    Precisamos conversar! Sério...

    ResponderExcluir